Reveal Writer - As Andorinhas

A Teia da Guia come√ßa 2018 com um novo desafio, escrever para o site Reveal Portugal ūüėä

Aqui pretende-se mostrar o que de melhor se faz por cá: a nossa história, cultura, tradição e modernidade.

Este é o meu primeiro artigo escrito sobre as lindas andorinhas de Bordallo Pinheiro.

Leiam, partilhem e digam-me o que acham.

Obrigada por me acompanharem sempre.

A andorinha √© uma pequena ave, entre 13 e 21cm de comprimento, que pode viver at√© 8 anos. √Č resistente, tem uma √≥ptima orienta√ß√£o, √© √°gil no seu v√īo e gosta de locais quentes.

√Č √© por gostar de locais quentes que no Outono, quando as temperaturas baixam, parte para outros locais, chegando a percorrer at√© 20 mil kms. Quando as temperaturas voltam a subir, a andorinha regressa ao exacto local onde nasceu. Nessa altura podemos observar os bandos a bailar no c√©u portugu√™s. Pouco depois iniciam a constru√ß√£o dos seus ninhos nas varandas, janelas e chamin√©s brancas, fazendo-nos acreditar que s√£o um cunho da casa tradicional portuguesa! Raphael Bordallo Pinheiro imortalizou a andorinha numa das suas famosas figuras de cer√Ęmica. Nascido em Lisboa no seio de uma fam√≠lia ligada √†s leis e √†s artes, Bordallo Pinheiro escolhe o meio art√≠stico, primeiro como caricaturista e depois como ceramista, exaltando sempre o lado sat√≠rico da vida. Atento ao que caracterizava a alma portuguesa, cria um universo em que retrata a sociedade do s√©c XIX do povo √† fam√≠lia real; todos n√≥s conhecemos o Z√© Povinho, a Maria da Paci√™ncia ou o Padre. Criou tamb√©m azulejos, pain√©is, potes, centros de mesa, jarros, bustos, fontes lavat√≥rios, bilhas, pratos, perfumadores, jarr√Ķes e representa√ß√Ķes da fauna e flora portuguesa, muitas delas com formas agigantadas.

Foi gra√ßas a ele que, quando chegava o Outono e as andorinhas partiam, se matavam as saudades colocando uma representa√ß√£o da mesma em cer√Ęmica na fachada da casa.

Em Portugal podemos observar 5 esp√©cies: a andorinha-dos-beirais, a andorinha-das-chamin√©s, esp√©cies que encontramos nas zonas urbanas, a andorinha-d√°urica, a andorinha-das-barreiras e a andorinha-das-rochas, esp√©cies das zonas naturais. Sendo que esta √ļltima vive o ano todo no nosso territ√≥rio.

Junto com um dos seus doze irmãos, Bordallo Pinheiro adquiriu uma fábrica nas Caldas da Rainha, pois era ali que estava o melhor barro, a melhor terra e os melhores artesãos. Assim, em 1884, nasce a Fábrica de Faiança Artística.

Devido à grande qualidade artística e criativa, as peças de Bordallo ganharam rapidamente fama internacional e chegaram ao Brasil, Espanha, França e EUA. A Fábrica viveu então tempos áureos.

Ap√≥s a sua morte √© o filho que toma a cargo a continua√ß√£o da f√°brica e mais tarde, depois de 1920, s√£o os oper√°rios que a mant√™m em funcionamento. Actualmente pertence √† empresa Visabeira que pretende manter vivo t√£o importante patrim√≥nio nacional, pois tempos houve em que estas pe√ßas foram consideradas artesanato de pouca relev√Ęncia. O apoio de artistas contempor√Ęneos, como a pintora Paula Rego ou a artista pl√°stica Joana Vasconcelos, foi crucial para que houvesse interesse em manter a F√°brica em funcionamento.

As peças voltam a ser produzidas e são muito bem recebidas a nível nacional e internacional. Os moldes das figuras estavam extremamente bem preservados e prontos a ser utilizados. O molde mais antigo de uma andorinha data de 1891!

Hoje abra√ßamos novamente a andorinha que "a av√≥ tinha por cima da chamin√© da cozinha". Tiramo-la da caixa onde estava guardada e voltamos a dar-lhe vida. Porque esta pequena ave possui um √ļnico parceiro ao longo de toda a sua vida, √© tida como s√≠mbolo da fam√≠lia, do amor, da fidelidade e da lealdade. N√£o h√° figura mais perfeita para decorar o lar. Mas por anunciar a Primavera √© tamb√©m em homenagem √† ressurrei√ß√£o, fecundidade e renova√ß√£o.

Estamos a começar um novo ano. Porque não celebrar estes valores?

Bom ano! Construam um bom ninho.

You Might Also Like: