Um Mundo Melhor - Libertação Animal

February 11, 2019

“para mudarmos o todo temos de ser conscientes do mundo que estamos a criar, a cada acção, a cada palavra, a cada decisão.” - Sónia Balacó

 

Este pensamento da Sónia ficou vincado na minha mente.

Falamos muito em mudar o Mundo, mas será que começamos essa mudança por nós ou exigimo-la apenas dos outros? O que fazemos então pelo Mundo?

 

Eu acredito que ainda estamos a tempo de cuidar muito bem deste Mundo, por muitos mundos que haja dentro dele. Acredito que podemos caminhar para o respeito, a harmonia e o amor entre todos.

Mas sei que a mudança começa em cada um de nós, não nos outros, mas em nós.

 

Assim decidi convidar pessoas que admiro, com projectos que admiro, que sei que começam a mudança por elas. Deixo-as aqui como inspiração. 

 

A convidada de hoje é Mónica Salvado.

 

Todos os dias vemos mais e mais notícias sobre a importância de mudar hábitos para que continuemos a viver neste Planeta Azul. Mudanças de comportamento, de alimentação, de acção diária.

 

Há uma tendência para apontar o dedo aos jovens, principalmente dizendo que eles pouco se importam com o que se passa no mundo. 

Em primeiro lugar, sinto sempre que esse apontar de dedo é errado, pois se os jovens não se importam com algo é porque os adultos responsáveis pela sua educação não se importaram. Logo, o dedo a apontar deveria ser ao adulto.

Em segundo lugar, vejo muitos e muitos jovens a agir, a querer fazer, a arregaçar mangas.

 

Hoje deixo-vos o exemplo dessa jovem geração. A Mónica, com 18 anos luta pelo direito dos animais.

 

Quem é a Mónica Salvado?

O meu nome é Mónica Salvado, tenho 18 anos e sou natural de Sintra, Lisboa. Tal como maior a parte da população, cresci numa família tradicional e fui habituada a ter produtos de origem animal na minha alimentação. Cresci com um grande amor por animais, por todos, e contra todas as injustiças que se podia fazer contra eles. Mas nunca pus em causa aqueles que tinha no meu prato.

Vivemos num mundo onde matar animais é mau, menos se for dentro de 4 paredes, cercado por muros e longe da nossa vista. Vivemos num mundo onde criar animais para os matar, e comer comida que nos está a matar é normal.

Vivemos num mundo onde comer animais que outrora já tiveram uma mãe e uma alma é normal. A minha jornada de entrada para o veganismo foi há dois anos atrás. Vi um camião de aves numa autoestrada. Foi como se o meu coração parasse naquela altura. Patas caiam dos vários andares do camião (cada camião leva até 8.000 aves). Nada me chocara mais que aquilo. Estaria eu a pagar para aquilo? Fiz a minha pesquisa. Tornei-me vegana. E como ser vegana não é suficiente para passar a mensagem, hoje, sou ativista pela libertação animal.

Parte do meu trabalho como ativista é ser ativista da organização "The Save Movement" e é o ativismo com que mais me identifico. Organizamos em cada capítulo do Save (distribuídos por cidade) vigílias pacificas à porta de matadouros. Onde retratamos e fotografamos todos os olhares que temos oportunidade de testemunhar. Contamos e trazemos as suas histórias "cá para fora", lembramos às pessoas que aquilo a que eles chamam "comida" já teve uma alma.

 

O que significa “viver” para ti?

Sem dúvida, significa vive e deixa viver. Significa aproveitar todos os momentos como se fossem os últimos e fazer de tudo para tornar este mundo, um lugar melhor.

Significa viver todos os dias como se fosse o último. Viver como se a vida fossem dois dias. Não sabemos nem como, nem quando acaba. A vida é demasiado pequena para tornar as dos outros (animais) mais pequena ainda.

 

O que tem a vida de mais belo?

Surfar a última onda do dia. Ver o pôr do sol deitada na prancha de surf. A natureza. Os animais. As ondas do mar. Os amigos. Poder olhar todos os animais como seres iguais, não fazendo diferenças entre eles.

 

Partilha connosco 2 dicas para que possamos sorrir todos os dias.

Ver o pôr e o nascer do sol. Coisas simples. sem tirar fotos, enviar para amigos pelo “Whatsapp” ou postar no facebook. Tirar 15 minutos para darmos festinhas a um animal. E em todos os problemas que teremos do dia a dia, lembrarmos nos daqueles 15 minutos maravilhosos e que sem eles, o dia seria muito pior. Dar graças ao que temos e lembrarmos nos que a vida é feita de altos e baixos, e que precisamos de dias maus para os dias bons valerem a pena. A beleza está nas coisas simples.

 

Quais são para ti os 3 maiores problemas do mundo? 

Injustiça e a inveja são duas das três coisas que mais destroem este mundo e todos os que habitam nele. A terceira, mas não última é sem dúvida a raiz do mal de todo o mundo. Pensar que umas vidas são mais importantes do que outras.

 

Indica três gestos diários que podem tornar este um mundo melhor.

Olhar o mundo com mais compaixão; Não fazer escolhas em base de espécies/raças ou géneros e cuidar do planeta terra como se fosse a nossa casa, porque é isso que a Terra é. E neste momento, estamos a destruir a nossa casa e todos os que habitam nela.

 

Qual é a causa que mais apela ao teu coração?

Sem dúvida, a causa animal. O facto de ser normal,-e de já ter sido normal para mim-, criar animais, fazendo eles terem uma mãe, irmãos/irmãs, engordá-los, engravidá-los, roubar lhes os seus bebés e depois enviá-los num camião frio para longe do mundo horrível que ele (animal) já conhece para um mundo ainda pior. É mais fácil visitar um inferno, do que um matadouro. Os animais contorcem-se e lutam com cada cm do seu corpo para não morrerem. Lutam pelas suas vidas. Mas é uma luta que nunca ganharão.

Os animais não são alimentados com a sua comida favorita, não tem uma despedida dos seus familiares, e não prendem a respiração voluntariamente até à morte. O abate é violento, infernal e sanguinário.

Se somos capazes de sentir amor por um cão, ou um gato, o exercício é simples. Se tens um animal de companhia ao teu lado agora, sente a sua inalação e expiração. Acaricia a sua cabeça que está cheia de memórias, emoções e amor. Sente o peito dele a bater que os mantêm vivos e a ti feliz. Agora diz-me que os animais que comemos e usamos não são iguais a ele.

 

Inspira-nos:

1 livro- "Porque é que amamos cães, comemos porcos e usamos vacas?" -Melanie Joy.

1 filme: Dominion

1 música: Descent by Lawless

1 instagram: @earthlinged

1 profissão: Ativista.

 

 

Tem 18 anos, mas temos muito a aprender com ela.

Que continues o teu caminho.

 

Obrigada Mónica

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Outside Lisbon Tours - discover more of Portugal

November 29, 2019

Lisbon's classics - The Heart of Lisbon Tour

November 28, 2019

1/15
Please reload

You Might Also Like: